Como perguntar se uma garota é trans sem ofender

Imagina a situação: você chega na balada, encontra aquela gatinha incrível, porém uma pulga atrás da orelha te faz desconfiar que ela seja transexual. Como proceder?

Hoje mostraremos as melhores formas de descobrir se ela realmente é trans, além de discutirmos sobre a importância desse questionamento.

Bora lá!

Devo perguntar a uma mulher se ela é trans?

A resposta é não, uma vez que ela certamente vai se sentir ofendida, independente de ser transexual ou não.

Caso ela realmente seja trans, pode não estar pronta para compartilhar isso com você, ou entender a pergunta como desrespeitosa. Já se ela for mulher, certamente se sentirá ofendida, pensando algo como “tenho traços masculinos?” ou “meu corpo é artificial?”.

1

Conclusão: ela vai se ofender independente de ser trans ou não. Com isso, você pode ser deixado falando sozinho, ou receber uma resposta nada agradável!

Então, como descobrir?

Muito provavelmente, você saberá antes de qualquer contato mais íntimo, seja através de certos detalhes ou por vontade da própria garota.

1. Procure por sinais visíveis

dDYT55gCL8VyF8bG5vtXYf YKY 0WJiFt9e8PUbC4oY7Rw8lQL6lnIFh3wX8zULwP6MI1n4KY  T2kEtJV6K5SuAP 85HZhmVVA0FdgkUsufnqfKy9mxGj5YxQ 3
  • Gogó: apesar de haver procedimentos para diminuí-lo, ainda não é algo tão difundido assim.
  • Peito siliconado: toda trans tem peito siliconado, mas nem toda mulher com peito siliconado é trans. Ou seja, se ela não tiver peitos com silicone, certamente não é trans. Mas óbvio que nem toda mulher com peito siliconado é trans. Vale mencionar que, para algumas mulheres trans, caso a cirurgia não seja muito bem feita, o formato acaba ficando mais destacado, e não tão harmonioso ao redor.

2. Converse com ela e preste atenção em certos detalhes

  • Voz grossa: vale certo cuidado, já que algumas mulheres marombas acabam ficando com um tom masculinizado. Fazemos a mesma consideração do subtópico anterior: (quase) toda trans tem voz grossa, mas nem toda mulher com voz grossa é trans. Além disso, no mundo das mulheres fitness, é comum encontrar garotas com voz grossa em virtude da ingestão de anabolizantes (testosterona).
  • Sexualidade: entrando no assunto, ela pode acabar soltando alguma pista com relação a sua própria definição. Por exemplo, ela pode comentar que curte homens e mulheres, apesar de ser uma mulher trans.

3. Se ela realmente for, vai acabar te falando

Caso ela não seja operada, se torna bastante arriscado sair com um homem heterossexual. Sendo trans, ela sabe que se um hétero for pego de surpresa na hora H, o momento será bem constrangedor para os dois. Então, muito provavelmente ela te contará antes que algo assim possa ocorrer.

4. Porém, lembre-se que ela não tem a obrigação de te contar nada

Cabe a ela decidir se deve ou não compartilhar essa informação com você. Não há qualquer obrigação em informá-lo sobre a transexualidade se ela não quiser!

Pare e pense se isso realmente importa

Como já citamos em nosso artigo Tive tesão em uma transexual, isso significa que sou gay?, a atração de um homem heterossexual em uma mulher trans está justamente na feminilidade da mesma, como aconteceria com qualquer outra mulher.

Se ainda houver um pênis no lugar da vagina, que teoricamente seria o maior problema para alguns, já vimos que ela irá falar sobre. Sendo assim, não há por que se preocupar! Chegou lá, encontrou um corpo feminino e “um lugar para penetrar”, não há motivo para se preocupar.

Mesmo após descobrir, cuidado com as perguntas!

Para finalizar e descontrair, separamos um vídeo do canal Nunca Te Pedi Nada sobre as perguntas mais comuns (e muitas das vezes ofensivas) feitas para uma mulher trans.

Agora, que tal compartilhar conosco a sua opinião sobre o tema? Nossa área de comentários está aguardando por você!

Relacionados:

Como perguntar se uma garota é trans sem ofender
As 10 transexuais mais famosas do Brasil
Qual a diferença entre uma trans ativa, passiva e versátil?
Qual a diferença entre transexual, travesti, queer e outros termos LGBT+

Compartilhe esse post:

JP
JP
Nascido em meados da década de 90, escreve para sites e blogs desde 2009, abordando temáticas variadas da forma mais autêntica possível. Amante de música eletrônica, vida noturna e, o elemento não pertencente ao conjunto, cultura nerd.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *